• 21 de junho de 2012
pt_br

Notícias de Irmã Míriam no Perú

Guayabo, 31 de maio de 2012

Queridos amigos e familiares,

Quero nesta carta, simplesmente, contar-lhes um pouco da minha missão aqui no Peru:

Toda terça-feira vamos visitar “Retamal”, uma invasão a 30 minutos da nossa casa. É impressionante este lugar; passamos por um portão (é como um condomínio) e aí tem uma infinidade de casinhas de madeira. Cada semana tem mais casinhas, cada semana tem algo diferente, uma casa de um lado que se constrói em bloco, outras mais que aparecem... cada vez mais no alto do monte. As casas são de madeira ou esteira, tudo na terra... a poeira não para de levantar quando passa um carro, uma moto táxi ... ou mesmo o vento! Impressiona-me como as pessoas podem instalar-se e viver com quase nada. Nesta invasão não tem nem água nem luz; na frente das casas tem um tanquinho onde fazem a reserva de água, (passa um carro tanque que vende por litros cúbicos). Freqüentemente se vê uma senhora lavando os pratos em uma bacia com um pouquinho de água, tudo instalado no chão, ou ao lado da casa de Sônia, com uma montanha de roupa para lavar dentro de uma bacia com um pouco de água no fundo. As crianças têm que fazer as tarefas da escola bem cedo porque quando chega a noite já fica mais difícil e, por isso, nas tardes quase não vemos crianças na rua. É o caso de nossos amigos Jair e seu irmão José, que morrem de vontade de brincar e sobretudo cantar conosco, já que a Irmã Maria, às vezes leva o violão. Também as crianças têm que tomar banho cedo porque depois que se põe o sol faz muito frio; agora no inverno vai ser ainda mais difícil para elas.

Aqui no Retamal, temos um grupinho de senhoras que, com uma grande sede de conhecer mais a Deus e de aprender a rezar, pediu que fizéssemos, cada terça-feira, um encontro com elas. Foi assim que Sônia, uma das nossas amigas, disponibilizou a varandinha da sua venda. Ela tem um pequeno espaço que é a venda e nos fundos, dois quartos que é a casa, tudo de madeira. Como neste grande bairro não tem nenhuma capela, aí, nesta varandinha, durante o encontro, fazemos uma palestra ou comentário de um evangelho, rezamos, elas colocam nas mãos do Senhor tudo o que carregam em seus corações e cantamos. Elas gostam muito de cantar. Assim que chegamos Sônia “passa la voz”, quer dizer, avisa as suas vizinhas da nossa chegada. Sua filha sai para buscar algumas delas e Sônia grita de sua casa e, assim, vão chegando. Sônia providencia assento para todas e sempre no final desse tempo juntas, estão muito felizes e já deixam marcado para a terça próxima. Elas têm realmente o desejo de aprofundar a fé e viver o seu quotidiano com o olhar voltado para Deus. Nesta mesma varandinha Sônia vende comida a noite. As pessoas se sentam pra comer e aí tem uma armação de madeira onde penduram uma televisão que funciona com a energia solar que conseguem acumular durante o dia. Uma lâmpada também fica acesa enquanto os clientes jantam e desfrutam da televisão.

Este bairro para mim é um sinal de esperança porque cada terça que chegamos vemos algo mudado, sempre tem mais algumas casas de bloco, as pessoas não perdem o ânimo, trabalham, do nada vai surgindo algo...

Ir Míriam e Hugo (amigo das crianças na fazenda)

Um abraço forte! Irmã Míriam

(Extraído da Carta da Irmã aos padrinhos)

Caso você deseje apadrinhar a Irmã Miriam em sua missão acesse:

http://brasil.pontoscoracao.org/Apa...


Voltar para o início