• 19 de junho de 2012
pt_br

Facebook ou a procura da amizade

Em 2011 o número de usuários do Facebook no Brasil triplicou chegando a 37 milhões. Segue uma reflexão sobre o uso desta rede social sobretudo pelos adolescentes. A maioria dos jovens adolescentes tem uma conta Facebook. Uma conta para falar da sua vida, para se informar da vida dos outros, intercambiar noticias, estar em “contato” com os seus amigos. Uma paixão que data do inicio do ano 2000, que não cessa de crescer, colocando legitimas questões éticas: o que publicar no seu portal? O que é privado ou público? Mas além disso a pergunta que surge é sobre o sentido de uma rede assim: o Facebbok pode estar a serviço de uma amizade, de uma relação verdadeira, real e não virtual? Sobretudo é bom perguntar-se sobre o porquê de tal êxito e qual é o anseio que ele expressa. O Facebook é um meio para entrar em relação com muitas pessoas. É também um lugar para partilhar a vida, um lugar onde os adolescentes se “produzem” para chamarem a atenção. Na verdade o que esta atitude traduz é a procura do olhar do outro, a procura da segurança: “eu sou alguém que pode ser amado”. Os jovens procuram um amigo que os compreenda realmente, que saiba tudo de suas vidas. A paixão dos jovens diante desta rede mostra o desejo ontológico de cada homem, aquele de uma presença, de uma amizade, do desejo de comunhão. Um outro desafio que surge do Facebook é o fato que o virtual, o intercâmbio através de uma tela, não se transforme em um pretexto para a falta de um verdadeiro compromisso, de uma relação real, concreta. Porém, esta sede de amizade expressa de maneira particularmente forte pelos adolescentes neste fenômeno, é verdadeira, ela é inerente ao coração humano, sinal da sua grandeza. Os jovens não se equivocam: diante de uma experiência verdadeira são despertados os grandes desejos (...), o coração não se equivoca nunca!

(Extraído de um artigo escrito pela Irmã Aurélie Charrier e publicado no Blog de Pontos Coração “Terre de compassion”)

A pergunta que podemos nos fazer é: será que o uso do Facebook atende a esta sede verdadeira e profunda que habita o nosso coração? Para aprofundar este tema acesse:

http://www.ted.com/talks/view/lang/...


Voltar para o início