• 8 de janeiro de 2016
pt_br

Carta de Duarte, voluntário português, na Argentina

Queridos amigos, Escrevo-vos novamente para vos dar notícias da missão! Desejo que se encontrem bem, e que possam através desta carta, conhecer cada vez melhor as pessoas que vivem em Villa Jardín, e que tanto necessitam das vossas orações.

Contemplado a Cristo nos enfermos

Hoje gostaria de vos apresentar a D. Nilda, uma senhora com mais de 50 anos, que há mais de cinco anos se encontra acamada em sua casa. Vive com o seu marido, e só muito raramente sai de casa (excepto para dirigir-se ao hospital). Desconheço os motivos que a levaram a que ficasse acamada, padecendo para além do mais, muitas outras enfermidades… Porém, se pudessem contemplar a sua força e a sua alegria! Ainda que tenha dificuldades em falar (devido à tensão muscular a que o seu corpo está sujeito), de modo algum o deixa de fazer, e com que vivacidade!! No outro dia visitei-a com a Irma Miles (uma religiosa de Pontos – Coração). Recordo-me que falávamos da violência que grassa no nosso bairro, quando a irmã Miles disse: “ Nilda, são pessoas como você que podem salvar este bairro, pessoas que carregando a sua cruz, a ofereçam amorosamente a Deus, pela salvação de todos.” Esta frase fez-me compreender plenamente a vocação e a importância dos enfermos.

PNG - 72.6 KB

“Onde está um doente que sofre, aí está Cristo”, disse-me Gustavo, um homem que está sentando à porta da Igreja de Santo António, em Parque de los Patrícios. Também ele é um desses enfermos, dado que tem uma deficiência nas pernas que o impede de caminhar. Mas ajudam-no a entrar na Igreja, para que possa assistir à Missa. Se pudessem ver com que amor fala de Deus, e com que profundidade fala da Boa- Nova de Cristo! Diz-nos ele: “¡Tenemos de cargar con nuestra cruz, no con cara de traste, pero con alegría!”. Nesta missão, o nosso contacto com os doentes é contínuo, pois às quintas-feiras visitamos os doentes de tuberculose e de HIV, no Hospital Moniz. Na ala dos tuberculosos conheci dois jovens com a mesma idade que eu – o Brian e o Kevin. Para mim é impressionante ver como jovens da minha idade têm um tão grande interesse em falar de Jesus. Brian não queria falar tanto, desejava mais que eu lhe pudesse ler a Bíblia, já que ele não o podia fazer… Também visitei frequentemente um doente no Hospital Peña, que se chamava Adrian. Era um vizinho nosso, que tinha grandes problemas de saúde, em grande parte devido à droga, que no nosso bairro é um flagelo. Visitar Adrian não era tão fácil, pois estava revoltado com a sua enfermidade, e às vezes, era um pouco agressivo para connosco. Infelizmente, faleceu há algumas semanas. Agora tratamos de visitar a sua mãe e a sua irmã, que são nossas vizinhas.

Férias em Glew

Entre os dias 18 e 20 de Fevereiro fizemos um acampamento em Glew (um lugar cerca de Buenos Aires), com 15 raparigas (entre os 8 e os 13 anos) que vivem na nossa rua.

PNG - 108.3 KB

Foram três dias intensos cheios de jogos radicais (com cordas, ovos e sacos de batatas), e uma carrada de tempo passado na piscina! Tentámos também consagrar algum tempo à oração rezando o Rosário e assistindo diariamente à Missa. Se pudessem ver como elas estavam radiantes!

Queridas amigas e amigos, despeço-me de vós com amizade, desejando-lhes uma Santa Páscoa e até breve!

Duarte


Voltar para o início